Descobriu- se, recentemente, que a polpa (canal) do dente de leite, além de nervos e vasos sanguíneos, também é uma fonte de células tronco. As células-tronco, ao contrário das demais células do nosso corpo, têm a capacidade de se transformar em uma ampla variedade de tipos celulares que formam os diferentes tecidos do nosso corpo (ossos, cartilagens, neurônios, pelo, músculos…).

No Brasil, as células-tronco do tipo mesenquimais estão em fase de pesquisa, sendo estudadas em grandes centros do mundo inteiro para serem utilizadas, futuramente, no tratamento de doenças autoimunes, doenças degenerativas e para atuar na regeneração de tecidos.

Mas como fazer a coleta e armazenamento das células tronco do dente de leite? Muitas pessoas desavisadas podem pensar que é apenas guardar o dente de leite quando este cair, mas não é assim que funciona.

Alguns detalhes são importantes:

  • Extração precisa ser realizada por um profissional credenciado e habilitado, pois existe um protocolo de como esse dente precisa ser removido e armazenado.
  • Precisa ocorrer um agendamento, pois não se pode esperar até o dente estar quase caindo. A extração precisa ser agendada no momento correto.
  • Nunca deixar para o último dente de leite, pois pode ser necessário mais de um dente para ter a quantidade de material necessário para o armazenamento de células tronco.
  • O dente não pode estar cariado.

 

Consulte um odontopediatra para maiores informações.

 Carla Klück Picon

CRO 10714

Cirurgiã-dentista Especialista em Odontopediatria e Ortodontia

 Talita Prates

CROSP 103534