A cada ano mais de 12,7 milhões de pessoas no mundo são diagnosticadas com câncer. No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima 500 mil novos casos da doença para este ano.

O tratamento do câncer é feito por meio de cirurgia, quimioterapia, radioterapia ou transplante de medula óssea. O desafio é encontrar o tratamento mais eficaz com os menores efeitos colaterais. O Cirurgião Dentista, deve participar nas fases pré, trans e pós-tratamento oncológico. Antes de iniciar um tratamento oncológico, toda pessoa deve consultar um Cirurgião Dentista capacitado, realizar uma avaliação clínica e radiográfica de toda a boca e tratar todo e qualquer foco de infecção.

Infelizmente, hoje, os pacientes são encaminhados para o Cirurgião Dentista para o tratamento das manifestações orais após um sofrimento desnecessário. O conceito de que as manifestações orais sejam apenas uma consequência do tratamento quimio ou radioterápico do câncer e que uma vez superada esta fase, o quadro se normaliza com o desaparecimento de todos aqueles sintomas colabora para este quadro. Diversas alterações bucais decorrentes do tratamento e não da doença em si podem acometer o indivíduo com câncer. Elas provocam manifestações orais graves como mucosite, xerostomia, infecção bacteriana, fúngica e viral, trismo e as osteonecroses, comuns após o uso de bifosfonatos ou radioterapia de cabeça e pescoço.

Para melhor atender e ajudar os pacientes em tratamento do câncer, o Cirurgião Dentista deve estar habilitado para diagnosticar, prevenir, controlar e tratar as complicações orais que surgem durante as diversas etapas do tratamento oncológico. Porém, o número de profissionais que se dedicam ao tratamento das manifestações orais em pacientes oncológicos é insuficiente, principalmente quando comparados com o total de médicos oncologistas e a alta incidência de câncer na nossa população. Outro problema é que a maioria dos hospitais e das clínicas oncológicas não dispõe ou não pratica protocolos adequados de prevenção e tratamento das manifestações bucais decorrentes do tratamento antineoplásico.

 

Matheus Piardi Claudy / CRO 14719

Especialista em Estomatologia

 

FONTES:

https://www.vencerocancer.org.br/…/pacientes…

/http://www.apcd.org.br/…/importancia-do-cirurgiao…