A manchete de uma revista chama a atenção: O AÇÚCAR É O NOVO CIGARRO. Ele é tão prejudicial à nossa saúde quanto o hábito de fumar. E é muito difícil combater o consumo exagerado do açúcar devido ao prazer imediato que a ingestão de alimentos doces nos traz.

A única diferença entre o cigarro e o açúcar é que o cigarro é evitável e o açúcar, atualmente, é quase inevitável.

O açúcar adicionado ou açúcar invisível, não o açúcar natural encontrado nas frutas e nos legumes, é aquele encontrado nos alimentos industrializados como sucos, refrigerantes, pães, iogurtes, vinhos, salsichas e muito mais.

Este açúcar adicionado é desnecessário ao nosso organismo e é fator de risco para o desenvolvimento de doenças como obesidade, diabetes tipo 2, doenças hepáticas, cardiopatias e cárie. A alta prevalência de cárie está relacionada ao consumo exagerado do açúcar. Ainda assim o setor alimentício promove o açúcar através da intensa publicidade direcionada ao público jovem e infantil.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) a quantidade máxima diária de ingestão de açúcar é de 30g. Uma caixa pequena de suco industrializado contém 21 gramas de açúcar, praticamente a dose recomendada pela OMS.

Hoje os defensores da saúde pública sugerem que as duas medidas bem sucedidas na redução do hábito de fumar, educação e tributação, são necessárias no combate ao consumo excessivo de açúcar.

Algo precisa ser feito pois não fazemos idéia de quanto açúcar ingerimos.

 

Dra. Aline Grangeiro Pilger

CRO/9239

Especialidade: Dentistica Restauradora

 

Dra. Carla Mônica Zardo

CRO/7597