Estamos diante de um momento histórico dentro da odontologia, que está caracterizado por soluções modernas, embasadas em evidências científicas, sofisticadas e de alta complexidade de execução. Mas ao mesmo tempo, com uma resolução mais previsível e mais próxima das condições naturais, tanto em função como em estética. Dentro deste arsenal de opções de tratamento odontológico, estão inclusos os implantes dentários. Há poucos anos , não conseguíamos resolver carências de falta parcial ou total de dentes com a qualidade e sofisticação das reabilitações com implantodontia.

Porém, os processos para identificar as condições de indicações para implantes, podem  levar a situações de limitações destas indicações. São exames complementares, tais como tomografias, radiografias, planejamentos virtuais e físicos, como modelos e enceramentos. Algumas vezes este diagnóstico  impõe a necessidade de manobras cirúrgicas que serão imprescindíveis à execução deste tratamento. Estamos falando dos enxertos, que podem ser classificados conforme sua origem ou fonte. Embora com o desenvolvimento de técnicas mais conservadoras, novos diâmetros e comprimentos dos implantes, assim como suas características de estrutura e formatos, reduziram muito as necessidades de tais enxertias.

Dentro dos métodos de enxertos ou aumento ósseo, temos várias técnicas e abordagens, muitas com menor morbidade e tempo de tratamento reduzido.

Converse com seu dentista sobre sua real situação, para planejar um tratamento adequado e seguro.

 

 

Dr. Praxedes Souza

CRO/7788

Especialista Implantodontia e Prótese Dentária

Este artigo é de responsabilidade do autor